• Bruno Ramos

Veja os melhores momentos da derrota do Inter na estreia da Liberta

Colorado joga pouco e inicia caminhada na Libertadores com derrota por 2 a 0 para o Always Ready, em La Paz. VEJA OS LANCES ABAIXO:


O Inter estreou na Libertadores com derrota por 2 a 0 para o Always Ready na altitude de La Paz, nesta terça-feira, no Estádio Hernando Siles. Sempre que falamos em jogos na capital boliviana, a primeira imagem que vem à mente é a de um atleta em apuros, obrigado a recorrer a um cilindro de oxigênio para conseguir respirar. Como Anderson, em 2015.

Desta vez, os 3,6 mil metros acima do nível do mar até castigaram a equipe de Miguel Ángel Ramírez e forçou os jogadores a apelarem aos famosos cilindros de oxigênio. Mas o que sufocou mesmo o Inter e o pegou desprevenido na derrota foi a postura do adversário. Pode ter faltado, sim, fôlego à medida que o tempo passava. Mas faltaram, sobretudo, futebol e alternativas para escapar da estratégia armada pelo Always Ready. Como o próprio técnico e também Mauricio admitiram nas entrevistas coletivas após a partida. O treinador chegou a dizer que o time entrou "às cegas" por falta de informação sobre o jeito de atuar de um rival que recém havia trocado de comando.


Ramírez armou o Inter com Caio Vidal e Mauricio como novidades para a estreia. A estratégia era dar mais velocidade aos lados e à transição na altitude para aproveitar o campo cedido por um adversário que costuma atuar espaçado.


Mas o técnico Omar "El Turco" Asad frustrou esse plano. Mesmo com um plantel bem mais modesto, o Always Ready fez um jogo certeiro: ocupou o campo de ataque com linhas adiantadas para pressionar a saída de bola, parte vital do esquema de jogo colorado. Neutralizou e sufocou o Inter.

A gente tinha treinado uma coisa que eles modificaram. Têm um treinador novo. Sabíamos que íamos um pouco às cegas do que poderíamos encontrar. Tivemos que tomar decisões durante o jogo para tentar resolver. Nos custou muito entender desde fora. — Miguel Ángel Ramírez

O Colorado se armava para iniciar o jogo de acordo com a proposta de Ramírez: por baixo desde a defesa, com os extremas avançados e os meias na entrelinha, próximos a Thiago Galhardo. Mas o Always Ready "matava" essa saída pela raiz.


Marcelo Lomba e os defensores acabavam forçados a rifar a bola na ligação direta. E o Inter é armado para construir o jogo de outra forma. A bola caía sempre nos pés livres dos meias e atacantes do Always Ready no campo de ataque.

Marcelo Lomba define o lance / Reprodução: Internacional


Com liberdade, os bolivianos abusaram de finalizações de média distância e cruzamentos que sempre encontravam alvos dentro da área. Marcelo Lomba passou o primeiro tempo todo trabalhando. Foram quatro defesas e inúmeras intervenções na bola aérea para evitar chances de gol.


O Always Ready acabou o jogo com um total de 21 finalizações, contra 10 do Inter. Mas um dado do primeiro tempo expôs toda a dificuldade colorada: uma equipe que gosta tanto de ter a bola encerrou pela primeira vez um tempo com menos posse do que o rival – 45,2%.

Ramírez tentou mudar o jogo e desmanchou seu esquema habitual, o 4-3-3, ao sacar os dois extremas da equipe – Palacios e Mauricio – para os ingressos de Yuri Alberto e Lucas Ribeiro.


Com um 5-3-2 formatado, a ideia era rechear o meio-campo para impedir a superioridade do Always Ready no setor e fechar os espaços tão aproveitados pelo rival no primeiro tempo. Yuri e Thiago Galhardo, os dois atacantes, seriam explorados na bola longa para contra-ataques.

Números da partida:

  • Posse de bola Primeiro tempo: Always Ready 54,8% x 45,2% Inter Segundo tempo: Always Ready 43,6% x 56,4% Inter Total: Always Ready 49,3% x 50,7% Inter

  • Finalizações Primeiro tempo: Always Ready 12 (4 certos) x (2 certos) 7 Inter Segundo tempo: Always Ready 9 (4 certos) x (0 certos) 3 Inter Total: Always Ready 21 (8 certos) x (2 certos) 10 Inter

O tiro saiu pela culatra. E demorou apenas sete minutos. Saucedo dominou livre na intermediária, sem ninguém por perto para pressionar. O meia mandou um foguete de fora da área, direto no ângulo.

Galhardo disputando a bola contra o Always Ready/ Reprodução: Internacional


Foi só a partir daí que o Inter teve mais a bola, a ponto de encerrar o jogo com mais posse. Mas não a ponto de levar perigo ao Always Ready, salvo muitos cruzamentos sem direção e uma bola no travessão por Yuri Alberto.


De quebra, o Inter sofreu até o último minuto. Não é força de expressão. Foi quando pagou por seu próprio erro, ainda resquício de uma equipe em adaptação a um novo modelo de jogo: Zé Gabriel errou na saída de bola e entregou a bola a Algarañaz. Que só parou dentro do gol.


Com a derrota, o Inter é o lanterna do Grupo B. E tenta a reação já na próxima terça-feira, às 19h15, quando recebe o Deportivo Táchira no Beira-Rio pela segunda rodada da chave.



VEJA OS MELHORES MOMENTOS DA PARTIDA



1 visualização0 comentário