• Caroline Sacardo

Santa Catarina vai ter pedágios em 24 rodovias estaduais

Santa Catarina terá pedágios em estradas estaduais. O modelo de concessão será híbrido, conjunto com rodovias federais. Serão mais de três mil quilômetros que vão ser pedagiadas e irão contemplar sete rodovias federais e 24 estradas estaduais.

A proposta de concessão de rodovias federais e estaduais em SC engloba as BRs-153, 158, 163, 280, 282, 470 e 480 (1.647,3 km) e as SCs-108, 110, 114, 120, 135, 155, 157, 163, 280, 283, 350, 355, 370, 386, 410, 412, 417, 418, 421, 445, 452, 453, 480 e 486 (1.506,1 km).


O Conselho do Programa de Parceria de Investimentos (CPPI), do Ministério de Infraestrutura, qualificou3.153,4 km no final de agosto.


Na prática, agora, os estudos serão conduzidos pela Empresa de Planejamentoe Logística (EPL), do Governo Federal. Eles estão em fase final de contratação pela EPL, junto ao Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID).


O modelo catarinense será semelhante ao já adotado em 4,5 mil km no Estado vizinho do Paraná. A expectativa do Ministério dos Transportes é lançar o edital no segundo semestre de 2023.


Foto: Guto Kuerten/BD


“A articulação do Governo de Santa Catarina com o Governo Federal possibilitou a qualificação dos trechos de rodovias catarinenses junto com o bloco de concessão das rodovias federais. Isso nos permitirá investimentos privados para aumentar a qualidade da logística do nosso estado”, disse Ramiro Zinder, secretário-executivo de parcerias público-privadas em Santa Catarina.


Mesmo com a aprovação na Alesc da doação de R$ 456 milhões de recursos estaduais em obras federais em território catarinense e a ampliação de investimentosnas SCs, faltam recursos necessários para aplicar em infraestrutura.


Segundo a Secretaria da Fazenda (SC), estima-se em R$ 5 bilhões a necessidade de investimentos em rodovias federais, principalmente nas BRs 163, 280, 470 e 282. Para as rodovias estaduais, são necessários R$ 7 bilhões de investimentos. Esse dinheiro não existe.

A ideia com esse plano híbrido de concessão é atrair investimentos para trechos com viabilidade financeira e pedágios baratos.


Este formato havia sido anunciado e houve a tentativa de implementá-lo no governo de Raimundo Colombo.


Acabou não evoluindo. Espera-se que, agora, com estudos bem feitos tecnicamente, apoio do governo federal e com plena segurança jurídica, saiam do papel.


Fonte: NSC Total

14 visualizações0 comentário