• Caroline Sacardo

Santa Catarina registra alta no faturamento com exportações de carne suína em abril

Maior produtor nacional de carne suína, Santa Catarina mantém crescimento nas exportações e amplia em 54% o faturamento com os embarques em abril. No último mês, o agronegócio catarinense exportou mais de 50 mil toneladas de carne suína, gerando receitas que passam de US$ 123,7 milhões - o segundo maior valor da série histórica iniciada em 1997. Os números são divulgados pelo Ministério da Economia e analisados pelo Centro de Socioeconomia e Planejamento Agrícola (Epagri/Cepa).


“O resultado mostra a força do agronegócio catarinense. Santa Catarina, com 1,12% do território brasileiro, é um modelo para todo país. Reforço nosso reconhecimento e apoio para que os produtores rurais tenham ainda mais qualidade de vida e renda e sigam cumprindo sua importante missão de alimentar os catarinenses e o mundo”, disse o governador Carlos Moisés.


O desempenho no mês de abril consolida a retomada das exportações catarinenses de carne suína e a presença internacional em importantes mercados consumidores. Foram 50 mil toneladas embarcadas, o quinto melhor resultado já registrado pelo Estado, e 41,7% a mais do que no mesmo período do ano anterior.


Foto: Divulgação


"Mais uma vez Santa Catarina se destaca no cenário nacional pela excelência do seu agronegócio. Abril foi um mês muito positivo para as exportações de carne suína, o que demonstra a qualidade da produção catarinense e traz um novo fôlego para o setor produtivo, que vem sofrendo com a alta no preço dos insumos. O bom desempenho do agro no mercado internacional impacta diretamente na economia do nosso estado, gerando empregos e renda para os catarinenses", destaca o secretário de Estado da Agricultura, da Pesca e do Desenvolvimento Rural, Altair Silva.


O faturamento também superou as expectativas e foi o segundo maior em 24 anos, ficando atrás apenas do registrado em março deste ano. Segundo o analista da Epagri/Cepa, Alexandre Giehl, o resultado se deve ao crescimento nos embarques para a China, Chile, Hong Kong e Filipinas.


As exportações se tornaram a válvula de escape do setor produtivo para enfrentar os altos custos de produção. "Apesar dos bons resultados no mercado externo, o setor segue com preocupações, já que o milho e a soja, principais componentes da ração, não mostram sinais de arrefecimento. De qualquer forma, as exportações seguem sendo importantes para o enxugamento dos estoques internos, evitando desequilíbrios ainda maiores nos preços pagos aos produtores", explica Alexandre Giehl.


Principais mercados


As Filipinas foram o grande destaque de abril. Santa Catarina ampliou em 1.271% o faturamento com os embarques para aquele país, que foi o quarto maior destino da carne suína produzida no estado no último mês.


A China segue como o maior comprador do produto, com 20,1 mil toneladas no último mês - 55,7% a mais do que no mesmo período de 2020. O Chile, segundo no ranking de exportações, também ampliou as importações em 130,6%.


Diferenciais da produção catarinense


Santa Catarina possui um status sanitário diferenciado, que abre as portas para os mercados mais exigentes do mundo. A Companhia Integrada de Desenvolvimento Agrícola de Santa Catarina (Cidasc), em parceria com a iniciativa privada e os produtores, mantém um rígido controle das fronteiras e do rebanho catarinense.


O Estado é o único do país reconhecido pela Organização Mundial de Saúde Animal (OIE) como área livre de febre aftosa sem vacinação, o que demonstra um cuidado extremo com a sanidade animal e é algo extremamente valorizado pelos importadores de carne. Além disso, Santa Catarina, junto com o Rio Grande do Sul, é zona livre de peste suína clássica.

0 visualização0 comentário