top of page
  • Foto do escritorDifusora FM

Operação contra organizações criminosas prende advogados em SC e investiga ex-agente prisional

O Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Combate às Organizações Criminosas) deflagrou na manhã desta terça-feira (25) a operação “Sob Encomenda 4”. Esta nova fase tem como objetivo apurar crimes previstos na Lei de Organizações Criminosas, praticados por advogados e faccionados reclusos no sistema prisional catarinense e de outros estados.



Mandados Cumpridos

Segundo o Gaeco, foram cumpridos 21 mandados de busca e apreensão e dois mandados de prisão preventiva. As ordens foram expedidas pela 2ª Vara Criminal da Comarca de Joinville e fazem parte da investigação conduzida pela 13ª Promotoria de Justiça de Joinville e pelo Gefac (Grupo Especial para Enfrentamento a Facções Criminosas).


Alvos da operação


Ao todo, 17 pessoas são investigadas nesta fase da operação. Entre os alvos estão três advogados, dois dos quais foram alvos de prisão preventiva em Joinville, e um ex-agente prisional temporário de Joinville, alvo de mandado de busca e apreensão.

Mandados estão sendo cumpridos em Joinville, Barra Velha, Blumenau, Imbituba, Criciúma e na cidade paulista de Praia Grande – Foto: MPSC/Divulgação/ND


As buscas também foram realizadas em diversas unidades do Sistema Prisional do Estado, incluindo a Penitenciária Industrial de Joinville, o Presídio Regional de Joinville (Unidade Masculina e Feminina) e o Presídio Regional de Blumenau. Além disso, pessoas envolvidas com a organização criminosa que estão em liberdade também foram alvos das buscas.

Os mandados estão sendo cumpridos em Joinville, Barra Velha, Blumenau, Imbituba, Criciúma e na cidade paulista de Praia Grande.


Contexto da operação




A operação “Sob Encomenda 4” é um desdobramento da Operação “Sob Encomenda I”, realizada em agosto de 2021, que visava estancar a prática da chamada “sintonia” entre advogados e faccionados internos do Sistema Prisional em prol de organização criminosa. A investigação segue em segredo de justiça.

116 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page