• Caroline Sacardo

Cresce área de seca extrema em SC e lavouras têm perda de até 43%

A área de seca extrema em Santa Catarina cresceu durante o mês de dezembro de 2021 em relação aos meses anteriores. É o que mostra o Monitor de Secas do Brasil da Agência Nacional de Águas e Saneamento Básico (ANA). O impacto da estiagem já é sentido nas lavouras. A estimativa da Epagri/Cepa é que as perdas nas safras de milho e soja sejam de 43% e 30%, respectivamente.


O Monitor de Secas foi atualizado no dia 19 de janeiro. O levantamento aponta que a falta de chuva provocou o aumento na área de seca extrema no Oeste catarinense. No caso da região central do Estado, a classificação é de seca grave. Já o Leste tem situação considerada leve.

Em outubro do ano passado, o Monitor registrou um breve período de recuo nas áreas de seca pelo Estado. A situação se modificou em novembro, quando o Oeste voltou a ter boa parte dos municípios considerados área de seca extrema.


O avanço da seca é realidade em toda a região Sul. No Nordeste, Centro-Oeste e Sul do Rio Grande do Sul, houve áreas afetadas pela falta de chuvas. O mesmo acontece em grande parte do Paraná.


Esse cenário está associado à La Niña, que acontece quando há resfriamento das águas do Oceano Pacífico. O fenômeno provoca a diminuição das chuvas no Sul e aumento no Centro-Norte do Brasil.


Segundo a meteorologista da Epagri/Ciram Gilsânia de Souza Cruz, a estiagem acontece também por influência de um bloqueio atmosférico que vem impedindo o avanço das frentes frias para o Estado desde o dia 11 de janeiro. Esse bloqueio mantém uma massa de ar mais seco e quente sobre Santa Catarina.


— Esse bloqueio intensificou a estiagem, mas deve ser quebrado na próxima quinta-feira, com previsão de dias com chuva mais frequente e diminuição da temperatura — completou.

Gilsânia, contudo, diz que as chuvas mais frequentes e com totais mais elevados estão previstas para a região Leste. Assim, o cenário de seca no Extremo Oeste, Oeste e Meio-Oeste deve persistir.


Foto: Marcos de Lima/Portal Peperi


Perdas nas safras de milho e soja


A falta de chuvas pode acarretar perdas significativas nas safras de milho e soja. Segundo o engenheiro-agrônomo da Epagri/Cepa, Haroldo Tavares Elias, o Estado não é autossuficiente em milho e o impacto da estiagem vai aumentar o percentual do produto que precisa ser comprado de outros estados ou até mesmo do exterior, de países como a Argentina.


O mesmo deve acontecer com a soja, onde o Estado tem autossuficiência e até importa o produto. O setor onde o impacto deve ser maior, diz Haroldo, é o de suínos e aves.


— A ração [de suínos e aves] é 70% milho e o restante farelo de soja, mais uma suplementação. Então a estiagem impacta em toda a produção de rações — comenta.


Fonte: NSC Total



24 visualizações0 comentário