• Caroline Sacardo

CPI da Covid sugere indiciamento de Bolsonaro e outras 65 pessoas

O relatório final da CPI da Covid foi apresentado nesta quarta-feira, dia 20, no Senado Federal, pedindo o indiciamento do presidente da República, Jair Bolsonaro, por 9 crimes.

O indiciamento de outras 65 pessoas também foi sugerido, incluindo o empresário catarinense Luciano Hang, dono da Havan. Duas empresas também foram associadas a atos criminosos — Precisa Comercialização de Medicamentos Ltda. e VTC Operadora Logística Ltda. — (ambas por ato lesivo à administração pública), segundo o relatório.

O documento final tem 1.180 páginas. As penas dos crimes atribuídos a Bolsonaro podem chegar a 78 anos de prisão. O relatório sugere o indiciamento do presidente pelos seguintes crimes:

▪ Crime de epidemia com resultado de morte

▪ Crime de infração a medidas sanitárias preventivas

▪ Crime de emprego irregular de verba pública

▪ Crime de incitação ao crime

▪ Crime de falsificação de documentos particulares

▪ Crime de charlatanismo

▪ Crime de prevaricação

▪ Crime contra a humanidade

▪ Crime de responsabilidade


Em evento no Ceará, Bolsonaro comentou sobre o teor do relatório: "Tomaram tempo do nosso ministro da Saúde, de servidores, de pessoas humildes e de empresários. Nada produziram a não ser o ódio e o rancor entre alguns de nós".

Durante a fala do presidente, apoiadores gritaram "Renan, vagabundo", em referência ao relator da CPI da Covid, senador Renan Calheiros (MDB-AL). Bolsonaro disse: "A voz do povo é a voz de Deus".

Senador Renan Calheiros, relator da CPI da Covid, apresentou relatório final - Foto: Roque de Sá/Agência Senado


Empresário Luciano Hang

Dono da Havan, o empresário Luciano Hang foi apontado no relatório como suspeito de disseminar fake News. A CPI pede o indiciamento dele por incitação ao crime, com base no artigo 286 do Código Penal.

Luciano publicou uma nota nas redes sociais para comentar a inclusão do nome no relatório da CPI. “Estou agradecido e honrado por ter participado da CPI. Tive a oportunidade de explicar aos brasileiros o que eu e a Havan fizemos durante a pandemia. Sobre o relatório mencionar o meu nome, não esperava nada diferente, pois trata-se de uma comissão política amparada em narrativas e não em fatos. Tenho a certeza de que a verdade irá prevalecer. Quem não deve, não teme”.

Próximos passos

Na próxima terça-feira, dia 26, o relatório da CPI da Covid será submetido à votação. Se aprovado pela maioria dos senadores da comissão, o documento será enviado à Procuradoria-Geral da República (PGR), responsável por conduzir as investigações sobre os indiciados com foro privilegiado, como o presidente Jair Bolsonaro, ministros e parlamentares federais.


Fonte: OesteMais






14 visualizações0 comentário