• Caroline Sacardo

Bombeiro de SC que está em Petrópolis descreve tragédia: "Cena de guerra"

Cena de "guerra" e "perturbadora" foi como o cabo Ronaldo Fumagalli, do Batalhão de Curitibanos, descreveu a tragédia em Petrópolis. O desastre mobilizou equipes do Corpo de Bombeiros Militar de Santa Catarina no sábado, 19. O bombeiro contou sobre a pressão dos familiares sobreviventes e a dificuldade para resgatar as vítimas soterradas.


Até o momento, são cerca de 183 mortos e 83 desaparecidos. Até o Rio de Janeiro foram nove bombeiros militares catarinenses e seus cães. Fumagalli e o cachorro Hunter, já participaram de resgates no rompimento da barragem em Mariana, no deslizamento de Brumadinho e no incêndio do prédio de Segurança Pública em Porto Alegre. Mesmo com experiência, o bombeiro confessou que ficou impactado.


— A cena realmente é perturbadora, uma cena de guerra. Um morro desceu, trazendo as casas até embaixo e é uma cena bem complicada. Mesmo já tendo participado de outras ocorrências a gente fica impactado. Tem um número de vítimas muito alto — contou o bombeiro.


Foto: Soldado De Souza, CBMSC, Divulgação


Segundo o cabo, a ocorrência é complexa em função das chuvas que podem causar novos deslizamentos, dos escombros e da lama. Ele conta que os familiares que sobreviveram muitas vezes acompanham de perto a operação e pressionam pelo resgate. Conforme o bombeiro, a localização de um corpo pode ser identificada, mas a retirada é mais complicada.


— No domingo, um homem estava nervoso, procurava pelo filho pequeno e a sogra. O cão localizou as vítimas e encontramos filho e a sogra soterrados abraçados — fala Fumagalli.


O bombeiro havia acabado de sair da chamada área "quente" região onde aconteceu o deslizamento e existem riscos. Ele conta que após passarem o dia tentando resgatar uma vítima, tiveram que sair em função da chuva.


— É bem complexo, hoje [segunda] a gente trabalhou a tarde toda, o cão indicou onde estava a vítima e a gente não conseguiu chegar lá, por causa da instabilidade do terreno, a chuva que começou. A gente depende de maquinário, e vamos bem na boa, pra não ferir a vítima que tá ali soterrada — explica.


Fonte: NSC Total

58 visualizações0 comentário